Ganesha Gold

A época de chuvas intensas está chegando e pode pegar o motorista de surpresa. Se você não tiver como evitar cruzar uma área de enchente com seu carro, deve tomar certos cuidados.

Aqui vamos ensinar como dirigir em alagamentos. O coordenador técnico do Centro de Experimentação e Segurança Viária (CESVI) à época, Gerson Burin, concedeu algumas dicas a respeito. O texto é de Raphael Panaro e foi publicado na edição 425 da revista Motor Show. Veja abaixo:

como dirigir em alagamentosO básico

Sempre que puder, procure caminho alternativo ou espere a água escoar. Caso não tenha opção, a recomendação do CESVI é que o motorista engate a primeira marcha e siga em baixa velocidade (10 km/h) durante a travessia, mantendo o motor em rotação constante de cerca de 2.500 rpm – a chance de haver aspiração de água pela tubulação de admissão (causando o temido calço hidráulico) é maior com os giros mais altos na maioria dos veículos.

Antes de se arriscar, porém, verifique se a altura da água não está acima do meio da roda de seu carro (ou de outro de mesmo porte que esteja já cruzando, para usar como referência).

como dirigir em alagamentosSiga (ou não) o mestre

Seguir a trilha do carro à frente pode ser uma boa tática. Mas, como dirigir em alagamentos não é um ciência exata, é melhor quando se pode esperar ele terminar a travessia para ver se foi bem sucedido. Se você atravessar junto, muito próximo, não conseguirá saber se a trajetória dele é a melhor.

Veículos grandes (como ônibus e caminhões) baixam bem a água ao passar, “esvaziando” a pista atrás, e por isso é tentador ir “colado” neles. Mas, dependendo da forma da rua, da calçada e dos muros, entre outros fatores, há o risco de as ondas que formam voltarem mais rápido – e no caso de veículos grandes “podem chegar a encobrir o veículo de menor porte”, alerta Burin. “O melhor é manter distância”.

Ar-condicionado

Como dirigir em alagamentos exige mais do motor, segundo Burin, desligar o ar-condicionado evita que parte da força destinada à tração seja perdida no funcionamento do compressor. Isso faz diferença principalmente em carros 1.0, com pouca potência. Mas não adianta desligar e ficar com os vidros embaçados: lembre-se que é sempre importante ver muito bem para onde está indo, então deixe se possível ligado e na posição para desembaçar o para-brisa.

Trocando de marcha

O ideal é não trocar de marcha enquanto está cruzando o alagamento, mas em caso de subidas ou descidas, ou se precisar ganhar velocidade por causa de outro veículo, pode ter de optar pela segunda marcha. Saiba, no entanto, que o desacoplamento do disco de embreagem do platô pode causar danos nesses dois componentes, além de poder fazer o carro perder o embalo. “Engatar a segunda aumenta a velocidade, e isso não é recomendado”, alerta Burin.

Se você já estiver com a segunda marcha engatada quando perceber o alagamento e tiver de diminuir a velocidade, a única opção será reduzir a marcha. Nesse caso, dizem por aí que fazer a troca acelerando ajuda a evitar a entrada da água no motor.

Mas o especialista do CESVI alerta que o método pode aumentar o patinamento do conjunto, fazendo o carro perder velocidade e embalar novamente – o que forma uma onda sobre o capô e aumenta a chance da água molhar áreas delicadas (e ainda pode elevar demais a rotação, mais uma vez aumentando a chance de calço hidráulico).

“Morreu” no meio do caminho

Se o motor do carro “morrer” na área alagada, não se deve tentar dar a partida novamente, pois isso pode afetar o motor ou causar pane elétrica. A água e a sujeira podem inutilizar conectores e sensores, causar fuga de corrente nos cabos de vela, contaminar o óleo do motor e desgastar componentes móveis.

Já o calço hidráulico é causado pela entrada de água no cilindro, que pode empenar a biela – ou quebrá-la –, além de danificar pistão, bloco, virabrequim, cabeçote…

Carros automáticos

Se o carro tiver essa opção, selecione o modo de trocas de marcha manuais/sequenciais (M, S ou +/-, normalmente). Em carros sem essas alternativas, opte pelos modos reduzido (L), Sport (S) ou, em modelos mais antigos, a posição 1. Dessa forma o veículo não ganha muita velocidade.

Em carros que têm apenas o modo D (Drive), pode-se alternar manualmente entre N e D, de modo a manter a velocidade baixa sem descuidar da rotação do motor (que deve ficar sempre em torno de 2.500 rpm).

MAIS NA Ganesha Gold:

+ IPVA 2023: calculadora mostra quanto você vai pagar no imposto; acesse
+ Prepare o bolso: IPVA vai ficar 10% mais caro em 2023, diz especialista
+ Produção de veículos em 2022 vai superar a do ano passado, diz Anfavea
+ Lei da cadeirinha: veja as novas regras para o transporte de crianças
+ Jeep faz recall de Renegade, Compass e Commander; veja os detalhes
+ IPVA PCD: Estado de SP estende prazo para pedidos de isenção
+ Chevrolet Montana: lote inicial da picape está esgotado
+ Fórmula 1 confirma 6 corridas sprint para 2023, incluindo o GP de SP
+ Avaliação: O que joga a favor e contra no Volkswagen Nivus
+ Carro por assinatura vale a pena? Confira um guia completo com preços, vantagens e desvantagens
+ Pioneer lança três subwoofers, de 8, 10 e 12 polegadas; conheça
+ Licenciamento em SP: pagamento para placa final 0 vence em dezembro
+ Veja qual é o significado dos códigos de erro nos painéis dos Chevrolet
+ MPF entra com ação contra a Jeep por 22 problemas no Compass
+ Preços de carros usados vão cair a curto prazo; entenda os motivos
+ Comparativo de Carros Elétricos: Peugeot e-208 GT vs. Mini Cooper SE vs. Fiat 500e vs. Renault Zoe
+ Avaliação: Hyundai Ioniq 5, um elétrico incrível, é verdadeira revolução coreana
+ SUVs mais vendidos: motivos pra comprar (e pra não comprar)

Ganesha Gold Mapa do site